sexta-feira, 24 de setembro de 2010

AFINAL

Afinal ela era tão pequena
E o mundo extenso demais
Para seus olhos vendados enxergar

Afinal ela era apenas uma borboleta
Aprendendo a voar
Lutando para se manter forte
E não desmoronar

Afinal por que tudo isso?
Nada disso tem a ver comigo
Meu coração é inocente demais
Para conseguir enxergar
Todo esse mal
Que insiste em me cercar

Vou tentanto ser real
Nesse mundo tão surreal
Talvez seja mesmo a hora
De dizer Adeus para o amigo imaginario
Abandonar ilusões
Doar os brinquedos
Mais não quero e não posso abondonar tudo isso
Mais uma parte de mim já esta la
Crescida e sendo induzida 
Para todo esse mal

4 comentários:

  1. É doloroso abrir os olhos para a realidade, principalmente quando se percebe que as pessoas a sua volta que vivem no mundo cor-de-rosa e imaginário são mais felizes e sorridentes!
    Lindo poema Bru, você mais uma vez sendo reflexiva.

    ResponderExcluir
  2. que bom teu texto, suave e ao mesmo tempo reflexivo.
    Eu gosto daqui.]

    Um feliz final de semana pra vc.
    Maurizio

    ResponderExcluir
  3. Um belo post com uma visão profunda de vida, metamorfose esta danada mudança q ou fazemos ou a vida traga-nos para um mundo irreal, beleza minha linda poetiza vc esteve d++++ menina, merece receber bjos, bjso e bjossssssss

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar
volta mais uma vez voolta?